quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Logion 26


Sempre quando acontece um fato que me deixa chateada costumo fechar os olhos na estante de livros, pegar um aleatoriamente e abro em qualquer página, talvez esta página sirva para você hoje como serviu para conformar-me mais uma vez pelo julgamento dos outros....


Logion 26

Disse Jesus:
Vês o cisco no olho do teu irmão.
Mas não vês a trave no teu próprio olho.
Quando tirares a trave do teu olho, então, enxergarás melhor para tirar o cisco do olho do teu irmão.

Neste Logion, Jesus apresenta-se, de novo, como terapeuta.Revela os mecanismos da projeção e da transfereência.
O que criticamos nos outros não passa, muitas vezes, da projeção do que criticamos em nós mesmos;no entanto, não ousamos confessá-lo. O que temos mais dificuldade em suportar nos outros, são exatamente os nossos próprios defeitos.
Ao escutar certas conversações, aprende-se mais a respeito da pessoa que fala do que a respeito da pessoa quem fala. Por exemplo: quando se diz que alguém é inteligente, deve-se subentender: "Ele pensa como eu"; se é estúpido, deve-se subentender: "Não pensa como eu".
"Julgar os outros é julgar-se a si mesmo". O cisco que observamos em outrem é a nossa trave recalcada... Estar atento aos julgamentos espontâneos que surgem em nossa mente ensinar-nos-á muito a respeito de nós mesmos e de nosso inconsciente. Quando este estiver um pouco mais iluminado, veremos com maior clareza o que se passa nos outros e veremos que eles têm mais necessidade de serem amados do que serem julgados; além disso, este amor incondicional, talvez seja o ponto de partida de sua transformaao em direção à luz.

do livro: O Evangelho de Tomé 6ª Edição - Editora Vozes. - página 92